sábado, 31 de outubro de 2015

Anne Frank está entre nós!




Quantas Anne Frank estão agora na Síria tendo sua infância e sonhos de criança, devastados pela incompetência dos homens de serem humanos?


O Dia de Finados aproxima-se, mas o pensamento diário e constante nosso é que nós que estamos morrendo, como seres humanos, devido à tamanha brutalidade que nos atinge e faz nos tornar iguais por auto-defesa.
Existem agora apenas vítimas que se tornaram combatentes por imposição, por sobrevivência.

Felipe Lucchesi

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Meu VLOG

Oi pessoal!   Que tal conversarmos sobre vários assuntos?  

Pensando nisso, fiz um vlog. Quero ver todos vocês por lá, interagindo comigo hein?!



domingo, 3 de maio de 2015

Na escuridão, amanhã - Rogério Pereira


Alguns livros conseguem ter o mesmo efeito que um tapa na cara. O escritor Rogério Pereira conseguiu fazer com que os leitores sintam tal efeito ao lerem o livro: "Na escuridão, amanhã".
A solidão dos personagens anda junto com a sensação de julgamento do leitor.
O ponto final da história é apenas o ponto de partida que cada pessoa que lê, encontra ao se deparar com uma obra que é cruel e real ao mesmo tempo.

Felipe  Lucchesi


O primeiro livro: "Eu me chamo Antonio" - Pedro Gabriel


 Seja o primeiro ou o segundo livro: "Eu me chamo Antonio", o leitor se verá refém da criatividade e sensibilidade do escritor Pedro Gabriel.
 Frases de efeito e desenhos poéticos encantam quem lê e tornam a obra predileta dos mais românticos.

Felipe Lucchesi

Os homens de barro - Ariano Suassuna


Quem não se encanta com as obras de Ariano Suassuna?

No livro: "Os homens de barro", o leitor se depara com uma trama que envolve fé e intrigas. Os personagens são construídos com o intuito de não serem cativantes, mocinhos ou vilões e sim, de serem desvendados.
A história instiga a ponto de ser "engolida" por qualquer leitor em apenas algumas horas.

Felipe Lucchesi

O ponto cego de Lya Luft




Lya Luft deixa implícito em cada obra sua, questionamentos e julgamentos que todas as pessoas lidam com elas mesmas e com as demais, diariamente.
No livro: "O ponto cego", a autora é capaz de expor uma história através do olhar de uma criança, que amadurece por imposição, diante da situação que vive.
O leitor a todo momento ficará com a dúvida se todos são culpados pela realidade que vivem ou se a culpa está no "singular".

Felipe Lucchesi

quinta-feira, 26 de março de 2015

Doidas e Santas - Martha Medeiros

         
Crônicas de uma escritora que com sensibilidade e bom humor transforma qualquer momento da sua vida em pura reflexão ou aprendizado, O nome dela é Martha Medeiros e a cidade que acolhe seus medos e realiza suas vontades chama-se "Porto Alegre", capital do Rio Grande do Sul.

Martha através de um texto bem elaborado e ideias que enriquecem, consegue transformar-se em mãe, namorada ou melhor amiga, dependendo do texto que surja no virar de uma página do seu livro: "Doidas e Santas",

 Sendo doido(a) ou santo(a) você vai querer ler mais, mesmo depois do fim do livro surgir!

Felipe Lucchesi